Home » » Extremistas islâmicos cortam cabeça de cristão após forçá-lo a negar a Cristo

Extremistas islâmicos cortam cabeça de cristão após forçá-lo a negar a Cristo

Publicado por theoway O CAMINHO | segunda-feira, 25 de agosto de 2014 | 12:26

     Um homem cristão na Síria recentemente teve sua cabeça brutalmente arrancada por militantes islâmicos depois de ter sido forçado a negar sua fé e saudar Maomé como "o mensageiro de Deus".
      O incidente foi capturado em vídeo para o mundo inteiro assistir, transmitido como um aviso para "todos como ele".
Na gravação enviada para o YouTube, o homem cristão indefeso é cercado por militantes armados usando máscaras. Durante o vídeo, é possível ouvi-lo recitar conforme as instruções: "Não há Deus além de Deus, e eu declaro que Maomé é o mensageiro de Deus".
      Um aparente líder do grupo de militantes é ouvido instruindo o grupo: "Ninguém vai atirar nele agora, vocês entenderam? Ele não será morto por fuzilamento, pois isto seria misericordioso para ele".
       "Ele vai ser decapitado porque ele é kafir (infiel), aliado com o governo e não estava fazendo suas preces. Todo mundo como ele terá o mesmo fim, decapitação", disse o militante.
       Um militante armado com um facão, em seguida, pega o homem indefeso pelos cabelos e começa a separar a cabeça do corpo, enquanto o grupo grita "Allahu Akbar... não há outro além de Allah".
      Um relatório de 2014, da Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional, destaca a Síria entre vários países onde assumir o cristianismo pode ser extremamente perigoso, por conta de terroristas e extremistas muçulmanos.
     "Grupos extremistas e organizações terroristas, incluindo a Al-Qaeda e o Estado Islâmico, também estão perpetrando flagrantes violações da liberdade religiosa. Eles defendem a violência e a criação de um Estado islâmico, sem espaço para a diversidade, e realizam ataques religiosamente motivados e massacres contra [as minorias compostas por] alauitas (denominação islâmica), xiitas, cristãos e outros civis", explicou o documento em destacar as condições na Síria.
    "O relatório da ONG que vários grupos de oposição anti-regime implementaram tribunais Xaria (de direito islâmico) nas áreas que eles controlam. Recentemente o grupo militante EIIL, uma organização terrorista não alinhada com a oposição reconhecida internacionalmente, anunciou que os cerca de 3 mil cristãos na província de Raqqa devem ou encarar a morte , converter-se ao Islã, ou ser tratado como dhimmis (cidadãos não-muçulmanos de um estado islâmico) que devem pagar um imposto para a sua 'proteção' e obedecer sérias restrições em suas práticas religiosas", continuou.
     O relatório observou também que o bispo Boulos Yazigi, da Igreja Ortodoxa Grega, e o bispo John Ibrahim, da Igreja Ortodoxa Assíria ,ainda estão desaparecidos desde que foram sequestrados por desconhecidos na província do Norte de Aleppo, em abril de 2013.
     Cerca de treze monjas e três trabalhadores de um mosteiro ortodoxo grego na aldeia cristã de Maaloula, que foram sequestrados pela Frente al-nustra no final de novembro de 2013, foram finalmente libertados em 09 de março de 2014.
      O Al-Nusra assumiu Maaloula em setembro de 2013 e os seus combatentes teriam atacado lares cristãos, matando pelo menos uma dúzia de pessoas, e queimando uma igreja. Os remanescentes foram forçados a se converter ao Islã, segundo o relatório.

FONTE: portalfiel.com.br
Compartilhe este artigo :
Comentários
0 Comentários

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião. Seu comentário será publicado após análise de nossos moderadores.

CURTA NOSSA FAN PAGE!

 

Copyright © 2009-2016. theoway :: O CAMINHO - Todos os direitos reservados.